Cirurgia das Vias Biliares

cirurgia das vias biliares

As vias biliares são o conjunto de ductos encarregados de transportar a bile até à vesícula, onde a secreção se armazena e, posteriormente, segue até ao intestino delgado, onde exerce a sua ação digestiva.

Tratamento Cirúrgico da Colelitíase (Pedra na vesícula)

Uma vez confirmada a indicação cirúrgica da vesícula, exames para avaliação pré-operatória são solicitados a fim de confirmação das condições cardiológicas e anestésicas. 

Os exames pré-operatórios serão individualizados de acordo com o biotipo do paciente e a presença de doenças associadas. Entretanto, alguns exames são realizados de rotina.

Uma vez indicada a cirurgia da vesícula e o paciente decidido em proceder a mesma, algumas recomendações serão realizadas a fim de otimizar a internação e o preparo físico e psicológico pré-operatório.

As medicações em uso serão ajustadas conforme o resultado dos exames pré-operatórios.

Aos tabagistas é solicitado que deixem, ou diminuam ao máximo, o uso de tabaco a fim de diminuir as chances de complicações pulmonares no pós-operatório, assim como permitir uma melhor oxigenação dos tecidos e consequentemente melhor cicatrização.

Caminhadas diárias ou hidroginástica no pré-operatório são de grande ajuda como preparo fisioterápico pré-operatório, melhorando e facilitando a respiração e circulação no período pós-operatório.

A obsessão pela higiene das diversas dobras de pele e umbigo é recomendada, pois frequentemente estas são sítios de dermatites por fungos. Para tanto, a higiene destas áreas com sabonete neutro e manutenção das mesmas sempre bem secas já é o suficiente.

Independentemente da técnica realizada, o paciente deverá realizar pelo menos 8 horas de jejum absoluto (inclusive para água), realizando sua higiene pessoal através de um prolongado banho utilizando sabonete neutro.

A cirurgia da vesícula é feita via laparoscópica, através de incisões mínimas.

Nestes momentos que precedem a cirurgia, é importante que os familiares e amigos presentes estejam tranquilos a fim de propiciar ao paciente sentimento de segurança e serenidade.

Terminada a cirurgia da vesícula, o paciente será encaminhado para a sala de recuperação.

Uma vez no quarto, o paciente será estimulado a sair da cama e sentar na poltrona, iniciando os exercícios de fisioterapia respiratória e motora. A movimentação precoce dos pacientes além de prevenir complicações, aumenta o ânimo, estimula a recuperação, permitindo um pequeno período de internação hospitalar. 

O momento da alta do hospital será determinado pela equipe médica segundo a evolução de cada paciente. Antes da alta, a equipe médica e de nutricionistas conversará prolongadamente com cada paciente a fim de lhe instruir quanto ao tipo de dieta a ser seguida, medicações a serem utilizadas, precauções a tomar, assim como fornecer ao paciente, os telefones para contatar a equipe médica a qualquer momento.

Ao chegar em casa, o planejamento das atividades diárias é importante a fim de prevenir deslocamentos e desconfortos desnecessários, pois, em função do estresse, que o paciente foi submetido pela cirurgia e internação hospitalar, ele poderá sentir-se fraco e facilmente cansado após qualquer atividade. As caminhadas devem ser realizadas em local que seja plano, seco, sem obstáculos que possam causar acidentes, permitindo que o paciente sinta-se bem sem ficar muito cansado.

Recomenda-se dieta branda durante os primeiros 07 dias, com ingesta a cada 2 horas de algum alimento, evitando-se a ingestão de grandes quantidades de alimentos de uma só vez, assim como alimentos do tipo café sem leite, chimarrão, refrigerantes, doces e bebidas alcoólicas.

Ressalta-se sempre a prudência de cortar os alimentos em pequenos pedaços, mastigando bem os mesmos. 

Veja também:

Avanços da Endoscopia no tratamento das pedras do canal biliar

Doenças

Cálculos da Vesícula Biliar

A vesícula biliar é um pequeno órgão oco responsável pelo armazenamento e concentração da bile, uma secreção digestiva produzida pelo fígado que auxilia na digestão. Localizada abaixo do lobo hepático direito, mede aproximadamente 8cm de comprimento e 4cm de diâmetro nos adultos, quando está repleta. 

Pode ser acometida por diversos problemas, de significância clínica variada e tratamentos diferentes. O principal deles é a formação de cálculos (colelitíase ou “pedras” da vesícula).

Os cálculos na vesícula aparecem frequentemente após os 40 anos de idade, principalmente em  mulheres que já tiveram filhos e que sofreram alterações no peso.

Apresentam uma grande incidência na população em geral, sendo um dos mais frequentes na cirurgia do aparelho digestivo. Tem seu tratamento consagrado na videolaparoscopia associada à endoscopia quando na presença de cálculos nas vias biliares, oferecendo bons resultados pós-operatórios e de retorno às atividades profissionais regulares. 

Sintomas

Os cálculos podem provocar sintomas, como dor abdominal abaixo das costelas do lado direito ou na região superior do abdômen, muitas vezes desencadeada por refeições e vindo acompanhada por náuseas, vômitos ou distensão abdominal. 

Os sintomas dolorosos provocados pelos cálculos tendem a ceder após um período de tempo variado (ou como consequência do uso de medicações) mas, em algumas pessoas, podem gerar uma inflamação da vesícula biliar, quadro conhecido como colecistite aguda.

Nessa situação, a dor geralmente é maior, principalmente quando se toca a região do abdômen sobre esse órgão, além de poder vir acompanhada de febre, icterícia (“olhos amarelos”) e alterações sanguíneas laboratoriais.

Além disso, em alguns pacientes, os cálculos da vesícula biliar podem se deslocar desse órgão e obstruir o canal principal que excreta a bile para o intestino, o que pode acarretar sintomas graves de infecção dos canais biliares (febre, icterícia, dor abdominal significativa – a colangite aguda) ou obstrução do canal do pâncreas provocando uma pancreatite aguda. 

Diagnóstico

O diagnóstico dos cálculos biliares geralmente é feito pela ultrassonografia (ou ecografia) de abdômen, procedimento rápido e de baixo custo. Em alguns pacientes portadores de cálculos muito pequenos ou de bile espessa (“barro” ou “lama” biliar), ou mesmo para avaliação de complicações provocadas pelos cálculos, podem ser necessários exames adicionais, como a ressonância magnética do abdômen.

 

Tratamento

O tratamento dos pacientes com sintomas provocados pelos cálculos da vesícula biliar é cirúrgico, através da remoção do órgão, procedimento conhecido como colecistectomia.

Nas últimas décadas, esse tipo de cirurgia aprimorou-se e, atualmente, nos grandes centros de todo o mundo, é realizada por pequenas incisões no abdômen, juntamente com um material especial de cirurgia por vídeo, levando então o nome de colecistectomia laparoscópica.  

Para saber mais sobre Cálculos (Pedras) na Vesícula, assista ao nosso vídeo:

Cálculos (Pedras) na Vesícula Biliar: sintomas, diagnóstico e tratamentos

Estenose de Vias Biliares

As estenoses ou estreitamentos das vias biliares podem ser decorrentes de diversos fatores, tais como infecções repetidas dos canais biliares, tumores que acometem os ductos biliares ou a vesícula biliar, traumatismos e, também, consequência da realização de procedimentos endoscópicos ou cirúrgicos sobre essa região.

Para o diagnóstico e tratamento adequado da estenose das vias biliares é necessário avaliação precoce por um cirurgião especializado nessa doença. Em algumas situações, pode-se realizar dilatações endoscópicas do canal biliar com aparelhos especiais mas, na grande maioria das vezes, algum tipo de tratamento cirúrgico será necessário. 

Veja também:

Estou com um tumor no canal biliar que me deixou com olhos amarelos. O que devo fazer?

Procure um cirurgião do CAD.RS e tire as suas dúvidas!

Os cirurgiões do Centro de Cirurgia do Aparelho Digestivo – C.A.D.RS podem responder perguntas como:

  • Quanto tempo posso voltar a trabalhar depois da cirurgia da vesícula?
  • Cirurgia da vesícula emagrece?
  • Cirurgia da vesícula, quanto tempo de repouso?